WhatsApp 67 99257-1994
Pré-cadastro
WhatsApp 67 99178-7322
Orçamento
67 3025-8100
Outras Informações

Artigos

Saúde, bem estar, alimentação saudável e medicina.

Doenças da tireoide: os hormônios essenciais para o metabolismo.

As doenças relacionadas à tireoide, principalmente o hipotireoidismo e o hipertireoidismo, são conhecidas da maioria da população. Muitos associam, por exemplo, o ganho de peso e cansaço ao hipotireoidismo e o emagrecimento ao hipertireoidismo. Mas quais são os outros sintomas dessas disfunções? Como é feito o diagnóstico e tratamento? É isso que vamos explicar neste artigo.

A tireoide é uma glândula localizada no pescoço responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e o T4 (tiroxina), que regulam funções do organismo como os batimentos cardíacos, os movimentos intestinais, a capacidade de concentração do cérebro, a regulação dos ciclos menstruais e da respiração celular.

Por isso é tão importante diagnosticar disfunções nessa glândula e fazer o tratamento adequado. Quando a tireoide libera hormônios em quantidade abaixo do normal, temos o quadro de hipotireoidismo. Porém, se for em excesso, trata-se do hipertireoidismo. Ambos são mais incidentes em mulheres.

Hipotireoidismo

A produção insuficiente de hormônios T3 e T4 é o que caracteriza essa doença. Entre os sintomas provocados estão: sonolência, ganho leve de peso, alteração do ciclo menstrual, intestino preso, unhas quebradiças, pele seca e queda de cabelo. De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a deficiência dos hormônios pode até provocar no paciente problemas de memória, cansaço excessivo e depressão.

Diante de todos esses sintomas, fica claro o quanto o hipotireoidismo não diagnosticado e tratado impacta a vida de uma pessoa, felizmente o diagnóstico é simples. Em geral, é feito por exame de sangue com a medição dos níveis do hormônio estimulador da tireoide (TSH) e dos hormônios produzidos pela tireoide T4L e T3L. O TSH não é fabricado pela tireoide, mas está relacionado ao funcionamento dessa glândula. Produzido na hipófise, o TSH estimula a tireoide a produzir os hormônios T3 e T4 e a sua alteração é um importante indicativo de que o metabolismo não está em harmonia.

O hipotireoidismo pode ser diagnosticado em crianças, no caso de bebês é chamado de hipotireoidismo congênito e é detectado através do teste do pezinho. Nos adultos, o hipotireoidismo geralmente é causado por uma doença autoimune chamada Tireoidite de Hashimoto, que faz o organismo produzir lentamente anticorpos que destroem progressivamente a glândula. Não se sabe o que leva um organismo a desenvolver essa doença, mas há a hipótese de que fatores genéticos estejam envolvidos.

O tratamento do hipotireoidismo também é simples, apesar de ser pelo resto da vida. O paciente só precisa tomar diariamente o hormônio sintético levotiroxina, em comprimido, uma vez ao dia, antes do café da manhã (pelo menos 30 minutos antes da primeira refeição do dia). Os exames com medição do nível dos hormônios são levados em consideração para que o médico defina a dosagem dessa reposição. O médico também pode pedir um exame de imagem da tireoide para ver se existem nódulos.

Hipertireoidismo

O hipertireoidismo é quando a glândula da tireoide trabalha demais e produz excesso de hormônios. Essa condição pode provocar problemas no coração e também osteoporose. Os principais sintomas são: sensação de calor, aumento da transpiração, fraqueza muscular, batimentos cardíacos acelerados, cansaço, perda de peso, diarreia, irritabilidade e ansiedade, irregularidade no ciclo menstrual e infertilidade.

A causa mais comum do hipertireoidismo é a doença de Graves, que é quando o sistema imunológico ataca a glândula tireoide, provocando seu aumento. Também se trata de uma doença crônica e é mais comum o aparecimento em famílias com histórico de doenças da tireoide.

Nesse caso, o diagnóstico também é feito por exames de sangue para medir os níveis hormonais e de imagem, que permitirá constatar se há nódulos. Para diagnosticar o tipo de hipertireoidismo pode ser solicitado um exame de captação de iodo radioativo, que é capaz de medir quanto iodo a tireoide absorve do sangue.

Diferentemente do hipotireoidismo, no caso de hipertireoidismo há diferentes tratamentos, de acordo com o tipo de problema. O controle pode ser feito por medicamentos antitireoidianos capazes de diminuir a quantidade de hormônio. Outra opção é utilizar iodo radioativo, cirurgia ou beta-bloqueadores, que são remédios que atuam no controle dos sintomas da doença e não diretamente na dosagem dos hormônios. O médico que acompanha o paciente é que vai determinar qual o tratamento mais indicado.

Pacientes que suspeitam de hipotireoidismo ou hipertireoidismo devem procurar um endocrinologista para fazer o diagnóstico da disfunção da tireoide. Como foi explicado, o diagnóstico é feito de forma simples, através de exame de sangue e, algumas vezes, de imagem. Caso o resultado aponte para alguma das doenças, o tratamento requer acompanhamento médico constante para monitorar a reposição hormonal.

 

Fonte: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Deixe um Comentário